As ‘nanoesponjas’ que anulam e bloqueiam SARS-CoV-2

“Do ponto de vista de um imunologista e virologista, as ‘nanoesponjas’ são imediatamente atraentes como um potencial antiviral por conta da sua capacidade de funcionar contra vírus de qualquer tipo”.

© Shutterstock

Conforme reporta um artigo publicado na revista Galileu, uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveu ‘nanoesponjas‘ que neutralizam o SarsCoV-2, o coronavírus que causa a doença da Covid-19. 

O artigo científico que relata a descoberta inovadora foi publicado no Nano Letters, no passado dia 17 de junho.

Para efeitos daquela pesquisa, os investigadores tiveram em mente a forma como o SARSCoV-2 infeta as células epiteliais dos pulmões; tentando assim criar nanopartículas com o intuito de ‘ludibriar’ o microrganismo.

A ‘nanoesponja‘ é um núcleo de polímero coberto por uma membrana celular retirada dos pulmões. Entretanto esse revestimento inclui proteínas receptoras às quais o novo coronavírus recorre para invadir e fixar-se nas células humanas. 

Os académicos elucidam que a tecnologia associa-se a essas proteínas, incapacitando que se reproduzam e bloqueando dessa forma a propagação do vírus.

“Tradicionalmente, os criadores de medicamentos para doenças infecciosas mergulham profundamente nos detalhes do patógeno para encontrar alvos”, disse o investigador Liangfang Zhang, num artigo publicado no site da NEWSUC San Diego UC San Diego News Center.

“A nossa abordagem é diferente. Temos somente de saber quais são as células-alvo. E, de seguida, queremos protegêlas criando armadilhas biomiméticas“, explicou.

Segundo a Galileu, os investigadores produziram concentrações distintas de ‘nanoesponjas‘ e testaram-nas em culturas celulares. Com apenas uma concentração de cinco miligramas por mililitro, a tecnologia bloqueou em 93% a capacidade de infecção do SarsCoV-2.

In NOTÍCIAS AO MINUTO 18/06/2020